# 34

Nem mesmo quando ela convalescia de uma cirurgia abdominal extensa, ele a largou.

 

Queria sexo todos os dias e a toda a hora.

 

Literalmente.

 

Tinha ele, nessa altura, à volta de 70 anos.

 

Aosa 80, persistia.

 

Todas as noites.

 

Ela não tinha como fugir.

 

Com artroses nas articulações principais e nas outras, com pace-maker por arritmia grave, com anemia, com hipertensão - nada disso a livrava dele.

 

E ele já ia nos 87.

 

Com vergonha, contou ao filho, que contou ao médico.

 

Optou-se por um calmantezinho, dissimulado na sopa.

 

Agora, com 89, e graças ao calmantezinho, já só a procura uma ou duas vezes por semana.

 

E, apesar das artroses, ela consegue fugir.

 

Quase sempre...

publicado por artur às 17:47 | link do post | comentar