# 6

F.N. tinha dois filhos quase trintões, ambos com passado toxicodependente.

 

Safaram-se. Ambos emigraram e, hoje em dia, são pessoas respeitáveis. Um deles, até se tornou um escultor muito apreciado no país para onde emigrou e onde casou.

 

F.N. recorda os tempos em que fugia de casa para ler. Escondia-se para ler. Escondia-se do marido e da sogra. Quando era apanhada, levava. Ler era um desperdício, com tanta coisa para fazer no campo.

 

Um dia, despediu-se do filho de 5 meses e atirou-se a um poço. Foi salva por um pastor de cabras.

 

Era um dia de nevoeiro.

publicado por artur às 15:39 | link do post | comentar