# 44

Que estava muito triste, que não lhe apetecia viver, que, lhe desse, agora mesmo, um AVC, não se importaria nada.

 

Sentia-se assim desde que abandonara o lar, deixando o marido e a filha. Aquela vida já não lhe interessava e, além disso, tinha conhecido o homem da sua vida.

 

Foi viver com ele.

 

Com ele e com a mulher e as suas duas filhas.

 

Espantado, perguntei-lhe como era possível estar a viver com o amante, a sua mulher e as filhas de ambos.

 

Respondeu-me, com naturalidade, que ela não sabia de nada.

 

Trabalha de noite... - esclareceu.

 

Depois de ela sair para trabalhar, eu vou para o pé dele; depois, quando ela está quase a chegar, volto para o sofá da sala.

 

Novas organizações familiares, não há dúvida.

publicado por artur às 21:58 | link do post | comentar